Café da manhã, pensão completa ou All Inclusive?

A escolha do hotel ideal está relacionada a diferentes fatores como: localização, preço, conforto, opções de lazer e claro, alimentação. Saber qual regime de alimentação mais se adequa ao seu perfil e aos objetivos da viagem faz toda a diferença na hora da escolha, que pode representar a comodidade que você precisa, assim como pode ser uma grande perda de dinheiro. Por isso, é importante avaliar qual é o regime de alimentação oferecido: café da manhã, pensão completa ou all inclusive? Saiba as diferenças e como avaliar a mais vantajosa para você.

Café da manhã ou “CM”

Há quem não dispense o prazer de acordar e tomar aquele famoso “café da manhã de hotel”. Esse é o regime mais utilizado na maioria dos hotéis e pousadas, mas sempre  preste atenção para o tipo de café e se há acréscimo no valor da diária.

O café da manhã “continental”, também chamado de “café da manhã frio”, é o tipo mais simples, com itens frios e sem muita variedade. Já o café da manhã “Buffet” é o que tem diversidade de bebidas, frutas, pães, cereais, bolos e comidas quentes. As diversidades e os tipos de alimento variam de acordo com a cultura local.

Ao fazer a reserva, se atente para as especificações, tem lugares que não incluem o café na diária e cobram o valor à parte, o que nem sempre vale a pena dependendo do preço e da qualidade do que é servido.

É mais indicado para quem tem a hospedagem apenas como base para desbravar o destino. Mas para quem tem o objetivo de aproveitar a viagem nas dependências do hotel e não quer ter que ficar saindo para realizar refeições, não é o regime mais indicado.

Pensão completa ou “FAP”

Pensão completa é o regime que inclui café da manhã, almoço e jantar, uma alternativa interessante para grandes hotéis e resorts. Normalmente não inclui bebidas (alcoólicas e não alcoólicas) à parte das refeições, lanches ou demais serviços.

Quando é interessante escolher pensão completa? Quando o objetivo é curtir mais tempo da estrutura do hotel do que fora, principalmente quando ficam em regiões mais distantes, assim, os hóspedes não precisam sair à procura de restaurantes na hora da fome. Geralmente é uma opção cômoda e mais econômica do que o all inclusive.

All Inclusive

Na modalidade all inclusive você paga um preço fechado e tem direito a tudo: café da manhã, almoço, jantar, lanches e bebidas (com e sem álcool) a qualquer horário do dia e em qualquer parte do hotel. Há hotéis que possuem diferentes quiosques, bares, máquinas de refrigerante e ambientes com buffet durante todo o dia e em diferentes locais, o que dá a liberdade do hóspede pegar e pedir o que quiser.

Geralmente esse regime é adotado em alguns resorts e cruzeiros e possuem o “cardápio nomeado”, isto é, apenas o que não constar nos cardápios como liberados, saem por conta do viajante.

O serviço all inclusive nem sempre se trata somente de refeições, mas também de serviços e programações de lazer dentro e fora do complexo. É indicado para quem encara o hotel como o próprio destino da viagem, uma ótima alternativa (e menos cansativa) para viajar com crianças e até mesmo uma boa opção econômica para quem gosta de uns bons drinques. Mas se o objetivo for fazer diferentes passeios, conhecer opções gastronômicas da cidade ou até mesmo curtir a vida noturna, o all inclusive não é o mais indicado.

A questão fundamental na hora de escolher o regime de alimentação é entender o contexto da sua viagem, assim fica fácil não errar!