Para viajar tranquilo e evitar possíveis erros e transtornos, é sempre bom pegar algumas dicas com quem já foi ou conhece bem o local. Se você escolheu Santiago como o destino das suas férias, tire todas as dúvidas e se atente para algumas informações importantes:

  • Não é necessário ter passaporte e nem visto para entrar no Chile, apenas o RG já é suficiente, desde que esteja em bom estado e com uma foto correspondente à sua aparência atual.
  • A PID – Permissão Internacional para Dirigir – não é exigida ao alugar um carro em Santiago, apenas a CNH.
  • Ao comprar qualquer coisa ou pagar por um serviço no Chile, será cobrado o IVA – Impuesto al Valor Agregado – de 19% em cima do valor total. Os turistas só ficam isentos do imposto na cobrança da hospedagem, caso seja paga em dólares ou cartão de crédito.
  • A moeda do país é o peso chileno, mas praticamente todos os lugares aceitam dólar, o que na maioria das vezes, é a escolha mais vantajosa. O real também é aceito em Santiago, mas raramente é a melhor opção, tudo depende exclusivamente da cotação. Mas nunca faça mais de uma troca, por exemplo: trocar o real por dólar ainda no Brasil e ao chegar no Chile, trocar o dólar por peso chileno. Como é necessário pagar o IOF, além de outras taxas que normalmente as casas de câmbio ou os bancos costumam cobrar, quanto mais etapas, mais dinheiro perdido.
  • Não compre peso chileno no Brasil, as taxas de câmbio praticadas em Santiago são melhores.
  • O metrô de Santiago é o segundo maior da América Latina, são 103 km de extensão, 108 estações e 5 linhas. Ou seja, é uma ótima opção de transporte para utilizar durante a sua viagem.
  • O TranSantiago é o sistema de transporte público da cidade que integra o metrô e as linhas de ônibus, e Tarjeta Bip é o cartão pré-pago para utilizá-los. No caso dos ônibus, o cartão é indispensável, mas para o metrô é possível comprar os bilhetes de forma avulsa.
  • Não é o obrigatório ter seguro viagem para entrar no Chile, mas é sempre uma boa opção fazer, pois todos estão sujeitos à imprevistos que podem custar (muito) caro.
  • Cuidado com as agências de turismo, certifique-se de que são conhecidas e confiáveis. Muitos oferecem pacotes de passeios “furados” para as cidades vizinhas e vinícolas.
  • Não é exigido nenhum tipo de vacina para entrar no país.
  • Se quer pegar neve e esquiar, vá somente de junho a setembro, mais precisamente julho e agosto, porque a temporada sofre alterações a cada ano. Mas independentemente da estação, Santiago é uma cidade encantadora e cheia de atrações.
  • Quando a viagem é para a América do Sul, os brasileiros não se preocupam muito com a diferença de idioma, porque se garantem no “portunhol”. Mas é sempre bom aprender pelo menos as expressões mais utilizadas para evitar alguns erros, confusões e melhorar a comunicação.
  • Os vinhos chilenos são mundialmente famosos pela qualidade e variedade, portanto, se você gosta e aprecia a bebida, não deixe de aproveitar a estadia para comprar bons vinhos que são muito mais baratos do que no Brasil.
  • O Pisco é como se fosse uma cachaça chilena, uma bebida típica do país, muito falada e servida na maioria dos estabelecimentos.
  • Lembre-se: no Chile é proibido por lei consumir bebidas alcóolicas na rua, só beba dentro de estabelecimentos fechados.